Não foi possível encontrar uma correspondência para sua pesquisa.

Sugerimos que você tente o seguinte para ajudar a encontrar o que procura:

  • Verifique a ortografia da sua pesquisa por palavra-chave.
  • Use sinônimos para a palavra-chave digitada; por exemplo, tente “aplicativo” em vez de “software.”
  • Inicie uma nova pesquisa.
Entre em Contato Faça login na Oracle Cloud

Modern Cloud Economics

Desbloqueando o valor comercial da nuvem para cargas de trabalho de missão crítica corporativa —um guia dos executivos para criar e implementar a estratégia de nuvem corporativa que oferece todo o potencial de valor comercial da nuvem

Visão geral da economia na nuvem

As circunstâncias atuais aceleraram o ritmo da digitalização em todos os setores. No "novo normal", a adoção da nuvem não está mais relacionada a um movimento tecnologicamente avançado para empresas progressistas. Tornou-se um imperativo para todas as empresas sobreviverem, inovarem e crescerem. E o interesse e o foco da adoção da nuvem nas empresas agora são direcionados para domínios de missão crítica como um próximo passo lógico na jornada de transformação digital.

A adoção da nuvem em domínios de missão crítica é, no entanto, comprovadamente desafiadora devido aos requisitos e riscos exclusivos desses domínios. A grande maioria das empresas não acredita que possui os princípios e os recursos certos para superar desafios e alcançar o resultado esperado. Na ausência desses fatores para o sucesso, a decisão de adotar a nuvem em missão crítica ainda depende em grande parte da vontade e do apetite de risco do alto escalão para alcançar um equilíbrio entre maior retorno e maiores riscos. Isso sugere que a adesão aos princípios geralmente aceitos da economia da nuvem que sustentam os benefícios e custos da nuvem, bem como as vantagens de riscos e retornos, não é mais adequada para as empresas desbloquearem o potencial de valor comercial total da nuvem em todos os negócios e domínios funcionais mais amplos.

Os provedores de nuvem em hiperescala não ficam parados. Suas ofertas de nuvem de segunda geração estão sendo criadas para permitir que as empresas apliquem os princípios estendidos da economia na nuvem, ou seja, os princípios da Modern Cloud Economics, para atender aos requisitos, aos desafios e às preocupações de adotar a nuvem em missão crítica. Quando aplicados em conjunto, esses princípios e os capacitadores associados podem romper as barreiras para a adoção da nuvem em missão crítica, aumentando a capacidade organizacional para liberar todo o potencial de valor comercial da nuvem na empresa.

A nuvem de segunda geração da Oracle, Oracle Cloud Infrastructure (OCI), foi reconhecida como a mais madura entre as opções atuais do mercado, oferecendo capacitadores em todos os princípios da Modern Cloud Economics. A OCI foi desenvolvida a partir da incorporação desses princípios nos projetos centrais dos capacitadores de tecnologia, operacionais, comerciais e de gerenciamento de valor, tornando possível uma adoção holística da nuvem e da realização de valor de negócios.

A nuvem é um criador de valor comercial, não um centro de custos, e o foco principal da adoção da nuvem nas empresas é alcançar o potencial total de valor comercial criado pelos gastos com a nuvem, em vez de reduzir o custo de TI por ano ou mês. Alcançar o potencial de valor comercial total da nuvem para domínios de missão crítica ainda é um desafio para qualquer empresa. Para alcançar o sucesso é necessário adotar os princípios da Modern Cloud Economics e orientar a organização para as novas práticas de gerenciamento tecnológico, financeiro e operacional, ou seja, a prática de DevSecFinOps. Portanto, toda estratégia de nuvem corporativa que englobe missão crítica deve adotar esses princípios como uma estrutura base para o design do modelo operacional de destino. E a estratégia de provisionamento de nuvem deve garantir a seleção do provedor de serviço de nuvem que oferece capacitadores em todos os princípios da Modern Cloud Economics.

Adoção da nuvem como um imperativo

O interesse pela adoção da nuvem nas empresas está passando por um ponto de inflexão. A adoção da nuvem não é mais uma opção, mas um imperativo. E adotar a nuvem em domínios de missão crítica é o próximo passo lógico para as empresas ganharem competitividade no “novo normal”.

Nos últimos anos, as empresas experimentaram a adoção da nuvem em todas as aplicações periféricas para colaboração em equipe, eficiência de back-office e capacitação de front-office. Com base nos benefícios comprovados dessa fase, os executivos do alto escalão veem a nuvem como um facilitador para responder a muitas perguntas importantes, como:

  • Obter maior eficiência de custos, aproveitando o custo variável da nuvem e o modelo baseado em consumo, a elasticidade integrada e a capacidade de reduzir o custo unitário por meio de economias de escala;
  • Lançar novos serviços mais rápido para aumentar a base de clientes, fornecer uma experiência personalizada para conquistar uma fatia maior da carteira e do mercado;
  • Melhorar a resiliência operacional das aplicações essenciais para os negócios;
  • E manter-se à frente de riscos de segurança cibernética cada vez maiores e das regulamentações cada vez mais rígidas.

Os avanços tecnológicos na nuvem também trouxeram recursos diferenciados para atender a uma base maior de aplicações e cargas de trabalho. Na verdade, a questão do "on-premises versus na nuvem" não é mais relevante. Usando a Dedicated Region Cloud at Customer da Oracle como exemplo, agora as empresas têm a opção de comprar como serviço e implantar uma região de nuvem pública completa on-premises nos data centers.

E depois veio a pandemia em 2020. O "novo normal" impôs uma mudança radical na aceleração digital com a adoção da tecnologia avançando alguns anos em um intervalo de meses1. Isso significa que o mundo pós-COVID-19 provavelmente representará uma divisão ainda mais clara entre líderes digitais e retardatários. A demanda de tecnologia empresarial aumentou principalmente para ferramentas de infraestrutura de nuvem, segurança e colaboração2 para responder às interrupções causadas pela pandemia, permitindo força de trabalho remota, dimensionamento rápido, entre outros. Juntamente com a necessidade de aumentar a eficiência e a eficácia de "cada centavo investido", devido aos contratempos da receita, as empresas foram forçadas a explorar a adoção da nuvem de uma maneira mais holística.

Hoje, a adoção da nuvem não é mais uma opção, mas um imperativo. Mais de 70% dos executivos consideram a adoção da nuvem em larga escala uma decisão estratégica de negócios para sobrevivência, inovação e diferenciação competitiva3.

Anexo 1: A adoção da nuvem não é mais uma opção, mas um imperativo

Anexo 1: Motivos para adotar o gráfico de computação em nuvem
Fonte: IDC

Mais de 70% dos executivos consideram que a adoção da nuvem em larga escala é uma decisão comercial

Fatores que aceleram a adoção da nuvem:

  • Benefícios comprovados ao adotar a nuvem em aplicações e cargas de trabalho periféricas e que não são de missão crítica
  • Os avanços tecnológicos na nuvem trouxeram recursos diferenciados para atender a uma base maior de aplicações e cargas de trabalho
  • A pandemia e o "novo normal" impuseram uma mudança radical na aceleração digital com a adoção da tecnologia avançando alguns anos em um intervalo de meses

Mas para muitas empresas, cerca de 60% ou mais das aplicações e cargas de trabalho ainda permanecem on-premises4, e a maioria é de natureza crítica, seja core banking, processamento de pedidos, faturamento, gerenciamento do ciclo de vida do produto, gerenciamento da cadeia de suprimentos, planejamento de recursos empresariais e muitos outros. E por causa das arquiteturas altamente complexas e monolíticas, essas aplicações e cargas de trabalho de missão crítica on-premises mantiveram o custo de operação dos negócios alto e rígido, além de prejudicar a velocidade da transformação digital.

Anexo 2: 60% das cargas de trabalho permanecem on-premises e a maioria é de missão crítica

Manteve o custo de RTB alto e rígido e prejudicou a velocidade da transformação digital

Anexo 2: A maioria das cargas de trabalho estão em um ambiente on-premises e são um gráfico crítico
Fonte: IDC, Ovum, Logic Monitor

Características:

  • A maioria é de natureza crítica, por exemplo, serviços bancários essenciais, processamento de pedidos, faturamento, PLM, SCM, ERP, etc.
  • Arquiteturas altamente complexas e monolíticas, mantendo o custo de RTB (Run The Business) alto e rígido, prejudicando a velocidade da transformação digital
  • muitos atritos a serem superados na migração para a nuvem, por exemplo, dependências de interface, escala e complexidade do sistema, falta de atualização tecnológica etc.

Portanto, as empresas estão enfrentando um grande desafio ao adotar a nuvem em domínios de missão crítica para romper a rigidez de custos estruturais, além do longo tempo de latência da inovação desses domínios e perceber todo o potencial de valor comercial da nuvem.

Desafios da adoção da nuvem em domínios de missão crítica

A adoção da nuvem em missão crítica é, no entanto, comprovadamente desafiadora para a maioria das empresas devido aos requisitos e riscos exclusivos desses domínios. Aderir aos princípios geralmente aceitos da economia da nuvem não é mais adequado para obter o resultado esperado.

Embora o potencial da nuvem para liberar valor comercial multidimensional seja inquestionável, a adoção da nuvem em domínios de missão crítica continua sendo uma tarefa desafiadora para muitas empresas. A realização do valor total provou ser mais desafiadora do que o inicialmente esperado. Hoje, apenas 37% das empresas atingiram os resultados de valor esperados da nuvem, basicamente mantendo-se estável em relação a 35% em 20185. Essa estagnação pode ocorrer porque muitos ainda não tentaram de fato adotar a nuvem nesses domínios - entre as empresas mais afetadas pela pandemia, somente 30% a 40% planejam migrar novos tipos de carga de trabalho para a nuvem por meio de lift and shift, descontinuação e substituição on-premises por SaaS, refatoração ou reconstrução6. Mas, mesmo os usuários de alta nuvem parecem estar com dificuldades, com mais de metade relatando que não conseguiram obter o valor comercial esperado das iniciativas de transformação em nuvem em grande escala5.

Um dos motivos é que as empresas recebem não apenas requisitos muito rigorosos em relação aos níveis de serviço (disponibilidade, desempenho e capacidade de gerenciamento), segurança soberania dos dados e conformidade regulatória, mas também preocupações reais sobre os riscos de perder controles de arquitetura, operacionais e financeiros.

Exemplos de vozes ouvidas do alto escalão, incluem:

Perda de controle de arquitetura

  • “Migrar o sistema de missão crítica tornará minha arquitetura mais complicada, pois preciso integrar a nuvem aos subsistemas adjacentes ainda em execução on-premises.”
  • “Perderei a portabilidade no futuro. Também perderei a abertura para integração com os participantes do ecossistema externo.”

Perda de controle operacional

  • “Meus sistemas e dados de missão crítica serão expostos ao maior risco de acesso não autorizado, roubo de dados e violação de dados.”
  • “Perderei o controle sobre as operações de infraestrutura. Mas ainda sou eu quem tem que arcar com os danos à reputação e o ônus financeiro quando o nível de serviço não for atendido.”

Perda de controle financeiro

  • “Meu custo real se torna imprevisível e perderei a capacidade de planejamento dos gastos de TI, a menos que restrinja o uso ou obtenha conhecimento preciso antecipadamente sobre os requisitos de uso.”
  • “Investi muito para construir e manter o que tenho agora on-premises. Mas o provedor de nuvem não me permite aproveitar os gastos on-premises para o mesmo sistema.”

Apenas 29% das empresas confiam que, em suas iniciativas de transformação na nuvem, elas têm os princípios e recursos certos para lidar com preocupações, superar complicações inesperadas na migração e entregar o valor esperado com a velocidade esperada5. Na ausência desses fatores para o sucesso, a decisão de adotar a nuvem em missão crítica ainda depende em grande parte da vontade e do apetite de risco do alto escalão para alcançar um equilíbrio entre maior retorno e maiores riscos.

Anexo 3: Alcançar o resultado da nuvem em missão crítica é um desafio comprovado

Aderir aos princípios geralmente aceitos da economia da nuvem não é mais adequado

Exibição 3: O sucesso da nuvem é um gráfico crítico
Fonte: Accenture

As barreiras para a adoção da nuvem em domínios de missão crítica:

  • Requisitos mais rigorosos em torno dos níveis de serviço (disponibilidade, desempenho e capacidade de gerenciamento), segurança, soberania dos dados e conformidade regulatória
  • Preocupações com os riscos de perder os controles de arquitetura, operacionais e financeiros
  • A decisão de adotar a nuvem ainda depende em grande parte da vontade e do apetite de risco do alto escalão para para alcançar um equilíbrio entre maior retorno e maiores riscos.

Obtenção de resultados de valor da nuvem estagnando abaixo de 50%, mesmo com "usuários de alta nuvem" enfrentando dificuldades. Apenas 29% acreditam nas iniciativas de nuvem (valores de 2020)

Isso sugere que a adesão aos princípios geralmente aceitos da economia da nuvem que sustentam os benefícios e custos da nuvem, bem como as vantagens de riscos e retornos, não é mais adequada para a empresa desbloquear o potencial de valor comercial total da nuvem em todos os negócios e domínios funcionais mais amplos.

Princípios da Modern Cloud Economics

A nuvem de segunda geração está sendo criada para permitir que as empresas apliquem os princípios da Modern Cloud Economics a domínios de missão crítica, aumentando a capacidade organizacional para liberar todo o potencial de valor comercial da nuvem na empresa.

Os provedores de nuvem em hiperescala não ficam parados. As ofertas de nuvem de segunda geração estão sendo criadas para permitir que as empresas apliquem os princípios estendidos da economia na nuvem, ou seja, os princípios da Modern Cloud Economics, para atender aos requisitos, aos desafios e às preocupações de adotar a nuvem em domínios de missão crítica.

Então, quais são os princípios da Modern Cloud Economics? Antes de abordar essa questão, vamos definir a linha de base recapitulando os princípios geralmente aceitos da economia na nuvem.

Os princípios geralmente aceitos da economia da nuvem têm ajudado as empresas a mudar a tecnologia e a abordagem de gerenciamento de valor comercial para ser mais em tempo real, colaborativa e orientada por resultados. Esses princípios usam as melhores práticas de gerenciamento como Lean, Agile e Design-to-Value e, embora possam ser granularizados, são resumidos da seguinte forma:

  • Tamanho certo
  • Otimizar o uso continuamente
  • Otimizar a taxa continuamente
  • Criar transparência em tempo real sobre uso, custos e alocação
  • Colaborar de forma multifuncional para orientar a decisão pelo valor do negócio

Ao aderir a esses princípios, as empresas foram capazes de adotar formas fundamentalmente novas de trabalhar, migrando para novas tecnologias, práticas de gerenciamento operacional e financeiro, incorporando novos recursos e um senso de responsabilidade em toda a organização. Especificamente, as empresas foram capazes de:

  • Mudar o planejamento de capacidade e a prática de compra com previsão de demanda futura para uso contínuo e prática de otimização de taxa com base na demanda real;
  • Associar os gastos na nuvem a um valor de negócios, como novas contas abertas, pedidos atendidos, remessas feitas, assinantes adquiridos, aumento da utilização de equipamentos operacionais etc, e alterar a natureza da conversa sobre o valor da tecnologia, desde reduzir o TCO (custo total de propriedade de software, hardware, trabalho, instalações e serviços públicos) até aumentar o valor comercial da propriedade de tempo;
  • Mova a propriedade e a responsabilidade da tecnologia, tomada de decisões operacionais e financeiras para fora da borda da organização;
  • Mude o foco do gerenciamento financeiro, de economizar dinheiro para ganhar dinheiro, gerenciando os gastos da nuvem e o resultado com base na "economia da unidade", ou seja, o valor comercial por "cada centavo investido" para a nuvem agora e no futuro - uma mudança de paradigma em relação à atual prática de gerenciamento de gastos agregados sem vínculo com o valor do negócio no planejamento orçamentário trimestral e fiscal;
  • E reúna executivos, usuários de negócios, desenvolvimento, operação, segurança da informação, finanças, compras e provedor de serviços em nuvem… toda a comunidade de partes interessadas para colaborar sem atritos usando um vocabulário comum de gerenciamento de negócios de tecnologia.

Anexo 4: Adote os princípios da Modern Cloud Economics (MCE)

Para romper barreiras e desbloquear mais valor comercial dos gastos unitários na nuvem

Adote os onze princípios da Modern Cloud Economics...</h3

... para reduzir a rigidez de custos e o longo prazo de inovação em domínios de missão crítica e mudar para um gerenciamento financeiro e de valor na nuvem em tempo real com base na "economia da unidade"

Anexo 4: Princípios do gráfico da Modern Cloud Economics

1. Pilha de tecnologia moderna do tamanho certo

2. Otimize o uso continuamente

3. Evite adicionar medidas de alta disponibilidade, regulatórias e de segurança

4. Minimize os atritos para garantir a velocidade da migração

5. Explore a evolução da infraestrutura como um catalisador da inovação

6. Selecione a potência da máquina em vez da mão de obra para a garantia de serviço

7. Desvincule dados e uso linear da rede de custo

8. Evite o bloqueio de implantação de serviço

9. Reaproveite gastos on-premises para adquirir futuros recursos na nuvem

10. Crie transparência em tempo real sobre uso, custos e alocação

11. Colabore de forma multifuncional para orientar a decisão pelo valor do negócio

Agora, para quebrar as barreiras de adoção da nuvem (em domínios de missão crítica tradicionalmente mais difíceis de migrar) e replicar as mudanças mencionadas acima para tornar a adoção da nuvem verdadeiramente transformadora, as empresas devem adotar os princípios da Modern Cloud Economics. Além disso, as empresas devem implementar os capacitadores associados da nuvem de segunda geração.

Vamos analisar cada princípio da Modern Cloud Economics.

Princípios tecnológicos

Os princípios de tecnologia permitem que as empresas apliquem as práticas de gerenciamento Design-to-Value e Lean em todo o ciclo de vida de implantação de nuvem de ponta a ponta, desde o planejamento até o provisionamento, otimização e reciclagem. O alinhamento aos princípios de tecnologia ajuda as empresas a explorar os capacitadores da nuvem de segunda geração, como uma gama mais ampla de famílias de instâncias de serviço padronizadas e modos de virtualização compatíveis, maior densidade de consolidação de núcleos de carga de trabalho, dimensionamento automático vertical e horizontal, alta disponibilidade e segurança integradas, etc

Os princípios são:

1. Pilha de tecnologia moderna do tamanho certo: muitos dos sistemas de missão crítica on-premises não possuem tecnologia atual e têm capacidade superprovisionada e estaticamente provisionada para cargas de pico. Portanto, ao dimensionar esses sistemas de missão crítica para implantação na nuvem, as empresas devem usar uma pilha de tecnologia moderna implementada na nuvem de segunda geração como linha de base para aplicar as alavancas de dimensionamento corretas, como consolidar unidades centrais, "variabilizar" horas de tempo de execução principais, substituir tecnologias e produtos antigos e escalonamento automático entre pico e fora de pico.

2. Otimize o uso continuamente: Dizer que na nuvem "você só paga pelo que usa" não é verdade. É necessário pagar pelo provisionamento, independentemente de usar as instâncias provisionadas ou não. Portanto, como princípio econômico básico de operação na nuvem, as empresas devem adotar a prática de otimizar continuamente o uso por meio da remoção, movimentação e redimensionamento, como encerrar instâncias ociosas, remover volumes de armazenamento ociosos e órfãos, mover dados arquivados para um serviço de armazenamento, reduzindo o tamanho de instâncias superdimensionadas e alterando a forma da instância para aquela que corresponde ao perfil da carga de trabalho.

3. Evite adicionar medidas de alta disponibilidade, regulamentares e de segurança: para ajudar a evitar que as empresas caiam em muitas das armadilhas resultantes da adição das medidas de alta disponibilidade, regulatórias e de segurança necessárias em cargas de trabalho de missão crítica, a nuvem de segunda geração incorpora intencionalmente capacitadores de segurança de alta disponibilidade, regulatórios e de defesa completos. Esses capacitadores integrados são continuamente aprimorados com base nos designs de melhores práticas mais recentes e geralmente fornecidos sem custos adicionais pelo provedor de nuvem de segunda geração, como a Oracle. Isso significa que as empresas não precisam mais gastar com custos adicionais para “adicionar” as medidas necessárias para, por exemplo, acompanhar os crescentes requisitos regulatórios e ameaças à segurança cibernética. As empresas devem, portanto, validar a maturidade dos capacitadores integrados de alta disponibilidade, regulatórios e de segurança ao selecionar um provedor de nuvem de segunda geração para domínios de missão crítica.

Princípios operacionais

Os princípios operacionais permitem que as empresas encontrem o equilíbrio ideal entre tarefas lideradas por humanos e por máquinas na migração, entrega de serviços e operação de serviços.

Os princípios são:

4. Minimize os atritos para garantir a velocidade da migração: Garantir a velocidade da migração é a primeira linha de defesa contra os riscos de perda de valor e declínio do ROI na migração de cargas de trabalho de missão crítica para a nuvem. A probabilidade de problemas inesperados, atrasos e falhas na migração são muito maiores em missão crítica devido à existência de muitos fatores de atrito na linha de base local, como dependências de interface, escala e complexidade do sistema e falta de atualização tecnológica. As empresas devem, portanto, aproveitar a abordagem de migração sem tempo de inatividade e as ferramentas em escala de fábrica durante a fase de planejamento da migração para identificar e abordar todos os fatores de atrito antes da fase de execução da migração.

5. Explore a evolução da infraestrutura como um catalisador para a inovação: as nuvens de segunda geração integram nativamente recursos de plataforma, como streaming, catálogo de dados, fluxo de dados e muitos outros, em uma pilha de tecnologia de infraestrutura central, permitindo que as empresas usem a infraestrutura como um catalisador para impulsionar a inovação nos negócios mais rápido. Ao explorar a evolução da infraestrutura como uma plataforma para inovação, as empresas não precisam mais esperar que a TI crie os recursos de plataforma necessários antes de poder impulsionar a inovação. Atualmente, as necessidades e os interesses das empresas por inovação orientada por dados estão mudando para domínios de negócios essenciais de missão crítica. Portanto, em vez de aproveitar a infraestrutura em nuvem apenas como meio de garantir a estabilidade nas operações de serviço, as empresas devem explorar os recursos em evolução da infraestrutura em nuvem de segunda geração como uma plataforma para entrega de serviços inovadores e valor comercial.

6. Selecione a potência da máquina em relação à mão de obra para garantia de serviço de nível empresarial: os requisitos de complexidade, escala e segurança das cargas de trabalho de missão crítica atuais não são mais gerenciáveis de maneira econômica com operação semiautomatizada conduzida por humanos. Ao usar a IA integrada, o machine learning e recursos autônomos da nuvem de segunda geração, as empresas podem reduzir as principais fontes de rigidez de custos em domínios de missão crítica, isto é, alto "custo de garantia de serviço", ou seja, manutenção e aplicação de patches, versões de aprimoramento, detecção de incidentes, recuperação de desastres e resolução de problemas. As empresas também ganham a capacidade de manter automaticamente a atualização da tecnologia por trás dos serviços de nuvem implantados. Portanto, especialmente para domínios de missão crítica, as empresas devem mudar de operação semiautomatizada conduzida por humanos para operação autônoma conduzida por máquinas para melhorar a continuidade dos negócios e minimizar o custo total de garantia de serviço.

Princípios comerciais

Os princípios comerciais permitem que as empresas aproveitem continuamente as estruturas comerciais ideais do provedor de serviços em nuvem, com base nas mudanças nos perfis de uso e nos requisitos de implantação, eliminando o risco de aumento inesperado dos custos e maximizando a produtividade financeira combinada de licenças on-premises, suporte de licença anual e assinatura de nuvem.

Os princípios são:

7. Desvincule dados e uso linear da rede do custo: "orientado por dados" se tornou um requisito essencial para digitalizar negócios de missão crítica e domínios corporativos. A natureza de crescimento exponencial e distribuído de dados e uso de rede pode levar a um aumento inesperado dos custos da nuvem devido ao aumento do uso. As empresas devem, portanto, selecionar um provedor de serviços em nuvem que ofereça capacitadores comerciais que desvinculem aumentos imprevisíveis de dados e uso de rede do custo e garantam o planejamento e a previsibilidade de custos.

8. Evite o bloqueio da implantação de serviços: em domínios de missão crítica, as empresas devem manter a flexibilidade para mover cargas de trabalho da nuvem de volta para a implantação on-premises ou da nuvem pública para implantação de nuvem pública/privada on-premises em caso de problemas de pós-migração ou requisitos de soberania de dados cada vez mais rigorosos. No caso de um aumento repentino de carga, as empresas também devem obter agilidade na aquisição de serviços de nuvem e escalabilidade necessários sem conhecimento prévio preciso do padrão de uso da carga de trabalho. As empresas devem, portanto, selecionar um provedor de serviços em nuvem que ofereça uma estrutura comercial flexível e de fácil substituição, abrangendo todos os modelos de implantação e serviços em nuvem, bem como a flutuação de uso a cada mês.

9. Reutilize os gastos on-premises para adquirir futuros recursos na nuvem: além das construções padrão de otimização de taxa de nuvem, como desconto por volume baseado no uso ou no tempo, contrato de preço personalizado, reserva e compromisso e BYOL (Bring Your Own License), alguns provedores de nuvem de segunda geração, como a Oracle, oferecem construções comerciais com reduções substanciais nos gastos anuais com suporte à licença como subsídio para a aquisição de futuros recursos na nuvem. As empresas devem, portanto, aproveitar essas construções comerciais de forma inteligente para maximizar a produtividade financeira total dos gastos on-premises e da assinatura na nuvem.

Princípios de gerenciamento de valor

Os princípios de gerenciamento de valor permitem que as empresas adotem o gerenciamento financeiro na nuvem em tempo real com base na "economia da unidade", ou seja, medindo os gastos da nuvem em relação às métricas de valor comercial e tomando decisões mais bem informadas de forma rápida. Os princípios de gerenciamento de valor também implicam uma cultura de colaboração multifuncional, bem como propriedade conjunta e responsabilidade sobre o gerenciamento financeiro na nuvem.

Os princípios são:

10. Crie transparência em tempo real sobre uso, custos e alocação para criar um ciclo de feedback rápido para otimização contínua do uso. As empresas devem manter a visibilidade dos custos totalmente carregados para operar na nuvem e garantir que as decisões de gerenciamento financeiro na nuvem sejam baseadas em custos totalmente carregados mapeados e alocados para centros de custos, aplicações, unidades de negócios e linhas de negócios funcionais. Além disso, por meio de mecanismos de showback e cobrança retroativa, as empresas devem fornecer guias para que os usuários corporativos entendam sua parte dos custos e uso da nuvem por trás dela e se responsabilizem pelos gastos, pelo uso e pela recuperação de custos.

11. Colabore de forma multifuncional para orientar a decisão por valor comercial: a nuvem é um criador de valor comercial; não um centro de custo. Portanto, o foco precisa estar no aumento do benefício marginal para “cada centavo investido” na nuvem. Para manter esse foco na maximização do valor comercial criado pelos gastos em nuvem, em vez de minimizar o custo por ano ou mês, é fundamental a colaboração multifuncional entre executivos, unidades de negócios, TI, finanças, compras e provedores de serviços em nuvem. Portanto, as empresas devem implementar as métricas de valor de negócios acordadas para o uso da nuvem e o mecanismo de governança multifuncional para orientar a decisão com base no custo por métricas de valor de negócios.

Os efeitos resultantes da adoção desses onze princípios da Modern Cloud Economics e da implementação dos capacitadores associados da nuvem de segunda geração seriam:

  • Reduzir a rigidez de custos e o longo prazo de inovação em domínios de missão crítica;
  • Melhorar todas as dimensões das métricas de desempenho de TI corporativas, da eficiência e eficácia ao custo da qualidade, tempo de colocação no mercado, resiliência e economia da unidade;
  • E aumentar a capacidade organizacional necessária para liberar todo o potencial de valor comercial da nuvem em toda a empresa.

Dependendo da capacidade ociosa existente na linha de base das cargas de trabalho local, as empresas também podem reduzir o TCO. Isso, no entanto, é secundário à realização do valor do negócio e à melhoria contínua da "economia da unidade".

Capacitadores da Modern Cloud Economics da Oracle Cloud Infrastructure (OCI)

A Oracle Cloud Infrastructure (OCI) é a mais madura entre as nuvens de segunda geração no mercado atualmente, oferecendo capacitadores em todos os princípios da Modern Cloud Economics.

Embora a OCI forneça ofertas competitivas para atender a domínios periféricos da mesma forma que outros provedores de nuvem de hiperescala fazem, o que diferencia a OCI são os recursos exclusivos para ajudar as empresas a romper a barreira da adoção da nuvem em domínios de missão crítica. Isso ocorre porque a OCI foi desenvolvida a partir da incorporação dos princípios da Modern Cloud Economics nos projetos centrais dos capacitadores de tecnologia, operacionais, comerciais e de gerenciamento de valor, tornando possível uma adoção holística da nuvem e da realização de valor de negócios para as empresas.

Capacitadores da OCI para princípios de tecnologia

Os arquitetos da OCI entenderam bem quais eram as deficiências das nuvens de primeira geração. Eles começaram do zero depois de reunir os requisitos de mais de 200 empresas. O resultado final da OCI foi baseado na superação dos exigentes requisitos esperados pelas empresas para implantar e operar suas cargas de trabalho de missão crítica na nuvem.

A seguir estão os principais facilitadores "desenvolvidos do zero" que compõem a base da OCI:

1. Pilha de tecnologia moderna do tamanho certo:

  • Ambientes operacionais padrão simplificados e formas para computação, armazenamento e sistemas projetados para fornecer os benefícios de alto valor dos ciclos contínuos de atualização de tecnologia;
  • Malha de rede de última geração projetada para alta velocidade e latência extremamente baixa. Com mais de um milhão de portas e implementação da rede de clusters para atingir velocidade/taxa de transferência de rede equivalente a um supercomputador (latência de 1,5 microssegundos).

2. Otimize o uso continuamente:

  • Aprimoramento contínuo do Cloud Advisor, uma interface única que fornece uma visão da integridade dos recursos de nuvem provisionados e oferece gerenciamento de custos e recomendações de segurança, com os benefícios e as etapas de ação, com base na lógica ajustada às necessidades específicas da empresa e ao perfil de risco;
  • Dimensionamento automático para fornecer dimensionamento horizontal e vertical sob demanda das instâncias de computação;
  • As instâncias preemptivas se comportam da mesma forma que as instâncias de computação normais, mas a capacidade é recuperada quando ela é necessária em outro lugar e as instâncias são encerradas;
  • Faturamento de serviço inteligente e granular (por exemplo, faturamento por segundo para Computação e Autonomous Database) que permite pequenos ajustes contínuos no uso da nuvem para eliminar cobranças por uso ocioso.

3. Evite adicionar medidas de alta disponibilidade, regulatórias e de segurança

  • Domínios de falha e disponibilidade separados e interoperáveis para fornecer energia, resfriamento e conectividade de rede que fornece redundância e elimina as fontes de falha paralelas da infraestrutura básica;
  • Redes e recursos virtuais em nuvem segmentados em domínios de falha e disponibilidade, respaldados por infraestrutura de instalação separada e de manutenção simultânea para evitar interrupções intencionais nos negócios;
  • Protegido intencionalmente com virtualização de rede off-box (em vez da abordagem tradicional de virtualização de servidores) e segmentação de compartimento dentro da locação para obter uma separação de rede virtualizada completa do plano de controle, do plano de dados e do plano de gerenciamento;
  • Mecanismos de segurança de defesa aprofundados do núcleo até a borda, aumentados pelo acesso de usuário baseado em políticas para garantir proteções de serviço, dados e acesso a compartimentos que estão "sempre ativadas" por padrão;
  • Cadeia de suprimentos protegida para garantir que cargas de trabalho de missão crítica sejam executadas em infraestrutura confiável e minimizar o risco de violação de segurança no nível do hardware.

Capacitadores da OCI para princípios operacionais

A OCI oferece uma variedade de habilitadores operacionais que ajudam a transformar a prática operacional enquanto lidam com o mais alto nível de requisitos de segurança e desempenho para domínios de missão crítica corporativa. Esses capacitadores permitem que a OCI forneça acordos de nível de serviço (SLA) com respaldo financeiro não apenas para disponibilidade, mas também para desempenho e capacidade de gerenciamento. Esse nível de cobertura e compromisso de SLA não é oferecido hoje por nenhum outro provedor de infraestrutura em nuvem.

Os principais capacitadores são:

4. Minimize os atritos para garantir a velocidade de migração:

  • Investimento contínuo em ferramentas do Migration Factory, como Zero Downtime Migration, Oracle Cloud VMware Workload Migration Service e Cloud Manager for Oracle E-Business Suite, Siebel e Peoplesoft, para minimizar o atrito associado à migração de cargas de trabalho e dados empresariais complexos para acelerar os resultados da migração;
  • Oracle Cloud Lift Services em que um grupo dedicado de especialistas em Oracle Cloud, com especialização por tipo de carga de trabalho (ou seja, aplicações Oracle compactadas, aplicações personalizadas criadas no banco de dados e middleware Oracle, Oracle Data Warehouse and Analytics, Exadata Cloud at Customer, VMware, cargas de trabalho de Computação de Alto Desempenho, aplicações nativas da nuvem), para auxiliar desde o planejamento até as atividades de ativação em semanas, acelerando assim o tempo de valorização da migração para a nuvem.

5. Explore a evolução da infraestrutura como um catalisador para a inovação:

  • Serviços de plataforma principal modular que podem ser montados rapidamente em soluções de plataforma de tecnologia, como Data Mesh Architectures, que permitem que as empresas forneçam resultados de alto valor de forma rápida para os clientes finais.

6. Selecione a potência da máquina em vez da força de trabalho para a garantia de serviço de nível empresarial:

  • Serviços de Autonomous e Automação em evolução, como Autonomous Database, Autonomous Linux, Terraform Resource Manager, para eliminar a sobrecarga de operações, aumentar a produtividade e focar em atividades que agregam valor comercial;
  • Serviços de segurança inteligente, como o Cloud Guard, que detectam recursos mal configurados e atividades não seguras entre locatários e corrigem automaticamente os problemas de segurança identificados usando receitas de segurança;
  • Plataforma integrada de observabilidade e gerenciabilidade para toda a telemetria (métricas, logs, rastreamentos) permitindo um trajeto sem interrupções, bem como análise operacional com inteligência artificial e machine learning de todos os componentes de software e tipos de dados implantados em aplicações, banco de dados e infraestrutura em OCI, outras nuvens públicas e on-premises.

Capacitadores da OCI para princípios comerciais

A OCI oferece capacitadores comerciais para otimizar a taxa, reduzir o risco de estouro do orçamento e maximizar a produtividade financeira em todos os investimentos em licenças Oracle on-premises e assinaturas na nuvem.

Os principais capacitadores são:

7. Desvincule dados e o uso linear de rede do custo:

  • Garantia de melhor desempenho de preço do mercado em computação, rede, armazenamento e banco de dados. Essa vantagem é particularmente relevante para:
  • Rede: os custos de rede de saída da OCI são mais baixos do que outros provedores de nuvem em hiperescala e o serviço de rede de entrada é gratuito;
  • Banco de dados: a OCI oferece um modelo de faturamento por segundo para o Autonomous Database, enquanto outros provedores oferecem um modelo de faturamento por hora para o banco de dados.

8. Evite o bloqueio da implantação de serviço:

  • Os Créditos Universais com Modelo Flexível Anual oferecem a verdadeira facilidade de substituição e flexibilidade de utilização desses créditos em qualquer um dos serviços da OCI oferecidos, em vez de limitar as empresas a um compromisso de serviço exato que exige alto nível de previsibilidade no padrão de uso.

9. Reaproveite gastos on-premises para adquirir futuros recursos na nuvem:

  • Preços de BYOL (Bring Your Own License), por uma fração do preço total, para as empresas que já possuem licenças de banco de dados e middleware da Oracle;
  • Opção ULA-to-Cloud para empresas com contratos de licença ilimitados (ULA) com a Oracle para redirecionar os gastos com suporte de licença em Créditos Universais;
  • Recompensas de suporte para reduzir o suporte de licença corporativa que subsidia os custos de consumo da OCI Infrastructure e Platform Cloud; potencialmente, reduzindo os custos de suporte de licença a zero (dependendo da escala de uso real da OCI).

Capacitadores da OCI para princípios de gerenciamento de valor

A Oracle e seus parceiros (por exemplo, Neos) oferecem uma variedade de facilitadores de gerenciamento de valor que ajudam a vincular os gastos da unidade de nuvem a uma métrica de valor comercial, tornando a nuvem um impulsionador de inovação, crescimento e diferenciação competitiva.

Os principais capacitadores são:

10. Crie transparência em tempo real sobre uso, custos e alocação:

  • Compartimentação dentro de uma locação de nuvem que fornece a capacidade de alocar o uso da nuvem e gastos associados aos proprietários do compartimento (equipes de projeto) em uma única locação de nuvem (organização), gerando responsabilidade e decisões informadas, equilibrando custo, qualidade e velocidade;
  • Gerenciamento de economia de nuvem com autoatendimento com instrumentação e medição de granularidade combinada com compartimentos, tags e acionadores como base para capacitar as empresas a autogerenciar a capacidade e a economia de locações e cargas de trabalho, políticas e serviços individuais;
  • Faturamento unificado, reduzindo o risco de desperdiçar gastos com Créditos Universais comprometidos, compartilhando uma única assinatura com outras locações vinculadas e gerenciando centralmente informações de custo e uso em várias locações com uma única fatura e Console da OCI;
  • Extensões de cobrança que permitem que plataformas de gerenciamento multicloud selecionem, compilem e gerenciem o uso da OCI e informações de gastos por meio da API e exibam uma visão de painel único do uso da nuvem, limites de orçamento e hierarquia da organização.

11. Colabore de forma multifuncional para orientar a decisão pelo valor do negócio:

  • Implementação de um novo modelo operacional de gerenciamento financeiro e de valor em nuvem multifuncional, reunindo unidades de negócios, finanças e TI na forma de uma torre de controle central ou um painel de gerenciamento de valor em nuvem e transformando as ações de otimização acordadas até a borda da organização. Para as empresas comprometidas em implementar com os capacitadores da OCI, o Oracle Insight Program pode ajudar a definir o modelo operacional de gerenciamento financeiro e de valor da nuvem de destino.

Exemplos de clientes

Cada vez mais empresas no mundo todo estão migrando as cargas de trabalho de missão crítica para a OCI e começando a obter o valor comercial esperado da nuvem e a melhoria da “economia da unidade”.

Embora ainda em um estágio inicial, considerando a base endereçável total de cargas de trabalho de missão crítica, cada vez mais empresas no mundo todo estão migrando as cargas de trabalho de missão crítica para a OCI e começando a obter o valor comercial esperado da nuvem e a melhoria da “economia da unidade” Alguns exemplos incluem:

  • Dimensionamento para atender à crescente demanda por uma solução de videoconferência baseada em nuvem, excedendo 20 milhões de usuários ativos mensais, economizando 80% nos custos de saída de rede;
  • Suporte a 500.000 eventos de segurança por segundo em 600.000 origens de dados para uma solução de segurança baseada em nuvem, reduzindo simultaneamente o tempo de implementação em dez vezes, ou seja, de 30 dias para 3 dias;
  • Melhor experiência do usuário, desempenho e tempo de colocação no mercado para conjuntos de soluções de engenharia baseadas em nuvem, obtendo uma melhoria de 25% na "economia da unidade";
  • Melhoria da resiliência operacional e da continuidade dos negócios das principais aplicações de varejo de missão crítica, abrangendo PLM (Product Lifecycle Management), Merchandising e ERP, tornando a velocidade de failover trinta vezes mais rápida, de 10 minutos para 20 segundos.

Algumas dessas empresas até migraram das nuvens de primeira geração, seja nuvem pública ou nuvem privada, por causa da oferta limitada para os capacitadores da Modern Cloud Economics.

O provedor líder de soluções de TI na Ásia é uma dessas empresas que decidiram usar a OCI para expandir os negócios principais, em vez de continuar mantendo e aprimorando a própria nuvem privada para esse mesmo fim. A empresa tem aproveitado os capacitadores da OCI da Modern Cloud Economics para impulsionar o crescimento dos principais negócios de serviços gerenciados para clientes de instituições financeiras nacionais, que respondem por quase metade da receita geral. Ao avaliar as várias opções de modernização da infraestrutura, a empresa descobriu que a OCI é o melhor caminho.

Além da capacidade da OCI de atender aos rigorosos requisitos de garantia de serviço exigidos pelas instituições financeiras nacionais e pela autoridade reguladora, a empresa encontrou vários capacitadores integrados da OCI (resumidos abaixo) que os ajudariam a adotar o que consideravam os dois mais importantes princípios da Modern Cloud Economics: "evitar adicionar alta disponibilidade, medidas regulatórias e de segurança"; e "minimizar os atritos para garantir a velocidade de migração". Também perceberam que a OCI, implantada como uma região de nuvem pública on-premises dedicada, com a Dedicated Region Cloud at Customer, não introduziria nenhuma negociação indesejada em relação à perda de controles de arquitetura, operacionais e financeiros para a adoção da nuvem.

Evita adicionar medidas de alta disponibilidade, regulatórias e de segurança

  • Adere aos requisitos de certificação de soberania de dados e conformidade global
  • Oferece suporte a requisitos de relatórios SOC com base em padrões de segurança locais para o setor de serviços financeiros
  • Práticas recomendadas de engenharia de resiliência incorporadas por design, por exemplo, virtualização de rede off-box, segurança de defesa aprofundada "Core to Edge"

Minimize os atritos para garantir a velocidade da migração

  • Ferramentas para permitir migrações de carga de trabalho sem atrito de várias plataformas on-premises, por exemplo, Zero Downtime Migration, suporte para vários modos de virtualização (Nativo, Paravirtualizado e Emulação)

Eliminando os riscos de perder os controles de arquitetura, operacionais e financeiros como resultado da adoção da nuvem em missão crítica

  • Replicação completa dos níveis de funcionalidade e de serviço da região de nuvem pública para on-premises
  • Separação do plano de controle, de dados e de gerenciamento
  • Controle e flexibilidade para decidir o momento da aplicação de patches e correções de segurança
  • Retenção de planejamento e previsibilidade de custos na nuvem.

Mas, acima de tudo, o que os impulsionou foi uma percepção cada vez mais ampla da fonte de diferenciação competitiva em constante mudança para o negócio principal. Ou seja, o próprio reconhecimento de que a fonte de diferenciação competitiva não consiste mais construir e manter a infraestrutura por conta própria. Eles perceberam que seria melhor aproveitar a OCI, já que os capacitadores integrados eram muito mais avançados do que eles poderiam agregar.

O caminho a ser traçado

Para liberar o valor comercial da nuvem para missão crítica, as empresas devem adotar os princípios da Modern Cloud Economics como uma estrutura básica para o design do modelo operacional de destino e selecionar o provedor de serviços em nuvem que oferece capacitadores em todos os princípios.

A nuvem é um criador de valor comercial, não um centro de custos, e o foco principal da adoção da nuvem nas empresas é alcançar o potencial total de valor comercial criado pelos gastos com a nuvem, em vez de reduzir o custo de TI por ano ou mês. Alcançar o potencial de valor comercial total da nuvem para domínios de missão crítica ainda é um desafio para qualquer empresa. Para alcançar o sucesso é necessário adotar os princípios da Modern Cloud Economics e orientar a organização para as novas práticas de gerenciamento tecnológico, financeiro e operacional, ou seja, a prática de DevSecFinOps. O resultado seria:

  • Reduzir a rigidez de custos e o longo prazo de inovação em domínios de missão crítica;
  • Melhorar todas as dimensões das métricas de desempenho de TI corporativas, da eficiência e eficácia ao custo da qualidade, tempo de colocação no mercado, resiliência e economia da unidade;
  • E aumentar a capacidade organizacional necessária para liberar todo o potencial de valor comercial da nuvem em toda a empresa.

Portanto, toda estratégia de nuvem corporativa que englobe missão crítica deve adotar esses princípios como uma estrutura base para o design do modelo operacional de destino. E a estratégia de provisionamento de nuvem deve garantir a seleção do provedor de serviço de nuvem que oferece capacitadores em todos os princípios da Modern Cloud Economics.

Referências

1. McKinsey & Company, “How COVID-19 has pushed companies over the technology tipping point and transformed business forever, outubro de 2020; Harvey Nash & KPMG, CIO Survey 2020

2. Bain & Company, “Lockdowns Spike Spending on Collaboration and Software Tools”, junho de 2020

3. IDC, “U.S. Businesses Become Future-Ready with Large-Scale Cloud”, janeiro de 2021

4. IDC, Ovum, Logic Monitor

5. Accenture, Cloud Outcomes Research 2020

6. Bain & Company, “The Pandemic Isn’t Boosting Cloud Spending”, agosto de 2020

Sobre o Oracle Insight

O Oracle Insight é uma equipe de engajamento executivo e de consultoria de valor comercial da Oracle. A equipe é composta por estrategistas corporativos com pontos de vista e experiência nas práticas principais e emergentes de gerenciamento de negócios em tecnologia. A equipe envolve diretamente o alto escalão do cliente para identificar necessidades não atendidas, destacar o estado futuro, identificar o que importa para promover mudanças e definir um roteiro de forma colaborativa para alcançar o valor comercial esperado dos investimentos em tecnologia.