Custo da rotatividade dos profissionais de enfermagem em números

Margaret Lindquist | Estrategista de Conteúdo em Saúde | Janeiro de 2023

A enfermagem é uma profissão imensamente desafiadora, mesmo nos melhores momentos, mas a pandemia de COVID-19 elevou seus desafios a novos níveis, levando a taxas mais altas de rotatividade de funcionários e escassez crítica de pessoal.

As principais razões para a alta rotatividade são o esgotamento relacionado à pandemia, uma força de trabalho envelhecida e uma competição acirrada para atrair pessoas qualificadas em meio a uma escassez de mão de obra em todo o setor. As escolas de enfermagem, que têm falta de pessoal, não serão capazes de produzir candidatos suficientes para amenizar o problema.

À medida em que a taxa de rotatividade de enfermeiros aumenta, custa tanto aos fornecedores quanto aos pacientes de várias maneiras. Maior tempo de espera para o paciente. Menor tempo que um enfermeiro pode cuidar de um paciente, e, em última instância, reduzindo o nível de cuidado oferecido. E isso causa um peso emocional e físico nesses profissionais que permanecem, fazendo com que muitos deles mudem para outros empregadores de assistência médica, deixem o setor ou se aposentem mais cedo. Os prestadores de cuidados de saúde devem tomar medidas para melhorar a retenção de pessoal de enfermagem neste mercado de trabalho altamente competitivo.

Principais conclusões

  • As altas taxas de rotatividade de enfermeiros criam um círculo vicioso, pois os trabalhadores sobrecarregados que permanecem nos prestadores de serviços de saúde acabam saindo para outros empregadores - ou abandonam a profissão completamente, trocando de setor ou se aposentando.
  • A alta taxa de rotatividade desses empregados aumenta os custos das instituições de saúde direta e indiretamente. Os custos diretos incluem recrutamento, contratação e treinamento, bem como a despesa de preencher temporariamente as lacunas de pessoal com enfermeiros contratados. Os custos indiretos incluem menor produtividade e moral desses profissionais.
  • Melhor tecnologia faz parte da solução, especialmente sistemas que automatizam ou simplificam processos e aliviam o fardo das tarefas administrativas dos enfermeiros para que eles possam se concentrar no atendimento aos pacientes.

Motivos pelos quais os enfermeiros pedem demissão

Sobrecarregados, mal pagos e subestimados, os enfermeiros estão começando a deixar a profissão a um ritmo que disparou alertas em instituições individuais e no nível nacional de políticas públicas. A taxa de rotatividade anual desses profissionais nos Estados Unidos aumentou uma média de 27,1% em 2021, 8,4 pontos percentuais acima do ano anterior, de acordo com o relatório NSI National Health Care Retention & RN Staffing de 2022. Durante a pandemia, os governadores estaduais dos EUA tiveram que chamar a Guarda Nacional para ajudar os profissionais de saúde com falta de pessoal. Para reduzir esse problema da rotatividae, é importante entender porquê os enfermeiros estão pedindo demissão.

Horários inflexíveis e exigentes
Os profissionais que trabalham em ambientes de alta intensidade sabem que, mesmo que um ou dois colegas digam que estão doentes ou não possam vir trabalhar por outros motivos, há potencialmente uma lacuna no turno por causa de horários de trabalho inflexíveis. Isso pode significar um período exaustivo para as pessoas que trabalham, colocando em risco não apenas o bem-estar dos pacientes, mas também a saúde mental dos enfermeiros.

Estresse relacionado à pandemia
Mesmo antes do início do COVID-19, mais da metade dos enfermeiros relataram sintomas de esgotamento, de acordo com o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA. Pesquisas recentes mostram que cerca de um terço desses trabalhadores já pensam na aposentadoria dentro de três anos.

A pandemia é uma razão pelo aumento das aposentadorias. Dados do Current Population Survey, uma colaboração entre o U.S. Census Bureau e o U.S. Bureau of Labor Statistics, mostram que 14.500 enfermeiros se aposentaram recentemente em março de 2021, um aumento de 140% em relação a março de 2019. Em uma pesquisa de 2021 com mais de 6.500 enfermeiros de cuidados intensivos, 92% disseram que a pandemia “esgotou esses profissionais em seus hospitais e, como resultado, suas carreiras serão mais curtas do que pretendiam”. 66% disseram que estavam pensando em deixar a profissão por causa de suas experiências com a COVID-19.

Salário relativamente baixo
Os americanos acreditam que os enfermeiros são mal pagos (e que os médicos são pagos quase que corretamente), de acordo com uma pesquisa recente do Harris Public Policy group e da Associated Press. Nos EUA, enfermeiras registradas ganham um salário médio anual de US$77.600, de acordo com os dados mais recentes do Bureau of Labor Statistics. Alguns enfermeiros, incluindo os especializados, podem ganhar consideravelmente mais.

Mas considere o fato de que o salário médio para enfermeiras registradas é menor do que para agentes imobiliários, fisioterapeutas e gerentes de construção. Em uma pesquisa de 2022 realizada pela empresa de pessoal de saúde ShiftMed, os enfermeiros que disseram que provavelmente deixariam o setor nos próximos dois anos identificaram escassez de pessoal (64%) e salários que não acompanham o custo de vida (43%) como seus maiores problemas.

Tecnologia e processos desatualizados
O software de registro eletrônico de saúde (EHR) antigo foi projetado para facilitar as atividades que geram faturamento, não para facilitar a prestação de cuidados por enfermeiras e outros médicos. A documentação de rotina do paciente nos EHRs pode resultar em até 200 cliques. No geral, as tarefas administrativas manuais e ineficientes estão consumindo muito tempo, frustrando esses trabalhadores. 53% dos enfermeiros que responderam a uma pesquisa de novembro de 2021 do Hospital IQ disseram que seu ambiente de trabalho poderia ser melhorado e os níveis de esgotamento dos enfermeiros reduzidos se os profissionais de saúde implementassem processos mais simples que melhorassem a visibilidade das necessidades do paciente. Enquanto isso, 45% dos participantes disseram que desejam melhor comunicação e coordenação entre os departamentos.

Piora da relação paciente-enfermeiro
A relação paciente-enfermeiro varia dependendo de quanto cuidado um paciente precisa. Por exemplo, uma proporção entre paciente-enfermeiro de 2:1 é considerada ideal em unidades de terapia intensiva, mas é mais como 6:1 em preparação para cirurgia ou enfermarias de recuperação. Conforme os enfermeiros saem ou se aposentam, as taxas sobem. E mesmo que a organização seja capaz de trazer trabalhadores contratados para preencher as lacunas, sua falta de familiaridade com os processos do prestador de serviços, pessoas e até mesmo a geografia do prédio significa que os mais experientes ainda estarão sobrecarregados.

Errar as proporções também pode ter consequências enormes para os pacientes, considerando que cada paciente adicional incluído na lista de um enfermeiro acima do número ideal aumenta o risco de mortalidade em 7%, de acordo com os Institutos Nacionais de Saúde (NIH). Segundo uma pesquisa de 2022 da agência de recrutamento de enfermeiros ConnectRN, 61% estavam pensando em deixar a profissão e disseram que o principal motivo é o impacto da escassez de enfermagem.

Falta de suporte para enfermeiros iniciantes
As taxas de rotatividade de novos enfermeiros chegam a 30% no primeiro ano devido a cargas de trabalho inesperadamente altas e comunicação deficiente com os membros da equipe. Sem surpresa, as pontuações de satisfação no trabalho para esses profissionais em seu primeiro ano de emprego também são baixas - com média de 5,5 em 10, de acordo com o NIH.

Custo da rotatividade dos profissionais de enfermagem em números

As instituições de saúde estão lidando com taxas de rotatividade sem precedentes em todas as funções clínicas, mas a rotatividade de enfermeiros em particular está atingindo proporções catastróficas. De acordo com uma pesquisa realizada pela NSI, uma empresa nacional de recrutamento, a taxa média de rotatividade registradas no setor em 2021 foi de 27,1%. Um hospital médio nos Estados Unidos perde entre US$5,2 e US$9 milhões por ano devido aos custos associados à rotatividade de enfermeiros.

Alguns dos custos da alta rotatividade desses empregados são fáceis de quantificar, outros são mais difíceis, mas não menos significativos.

Custos de desligamento
Os custos da rotatividade de enfermeiros incluem indenizações, férias e seguro-desemprego, bem como os custos de remoção de funcionários de sistemas e diretórios internos.

Custos de contratação e treinamento
Substituir um enfermeiro custa às organizações de saúde dos EUA uma média de US$37.000, de acordo com um estudo da Fundação Robert Wood Johnson. Isso inclui custos tangíveis associados à publicação de vagas de emprego, entrevistas e garantia de que novas contratações atendam aos rigorosos requisitos de treinamento e certificação do setor de saúde. Novos funcionários podem trazer novas ideias e energia para uma organização, mas também há uma curva de aprendizado que pode reduzir a produtividade geral.

Custos com enfermeiros substitutos
Os profissionais substitutos, que geralmente são contratados para suceder um enfermeiro que deixou uma organização, recebem uma média de US$127.694 por ano, em comparação com o salário médio de enfermeiro da equipe dos EUA de US$77.600, de acordo com o Bureau of Labor Statistics. E essa taxa de contrato não inclui pagamentos adicionais, como reembolso de viagem e custos de alimentação ou moradia. Também não leva em conta os custos menos quantificáveis de contratar substitutos, incluindo perda de produtividade e a carga adicional que os contratados podem impor aos funcionários em tempo integral como resultado de sua falta de familiaridade com as políticas, equipamentos e funcionários.

Assistência precária ao paciente
A alta rotatividade de enfermeiros causa escassez de pessoal que reduz a proporção pessoal-paciente e a qualidade do atendimento ao doente, pois enfermeiros sobrecarregados podem perder os sinais de alerta de problemas que podem retardar o tempo de recuperação. Também existem impactos menores sobre a satisfação do paciente. Um estudo do NIH mostrou que os pacientes perdem a confiança em seu profissional de saúde quando não acreditam que estão recebendo o melhor atendimento, manchando a reputação do profissional.

Impacto negativo na saúde pública
Uma ramificação da escassez de enfermeiros nos EUA é que segmentos da população, especialmente em áreas rurais, perdem o acesso próximo aos serviços de saúde. Cerca de 83 milhões de americanos estão vivendo o que chamamos de área da saúde com falta de profissionais (HPSA, Health Professional Shortage Area).

Benefícios surpreendentes da rotatividade de enfermeiros

Se há um benefício global da rotatividade desenfreada de enfermeiros, é que a publicidade resultante trouxe uma atenção sem precedentes para o problema, aumentando a probabilidade de mudanças positivas.

Veja mais três benefícios dessa rotatividade. Eles não compensam o problema da rotatividade em si, mas as organizações de saúde podem usá-los para melhorar suas operações.

1. Menos problemas com desempenho

Os enfermeiros que saem geralmente ficam esgotados e podem estar com um desempenho ruim e baixando a moral das pessoas ao seu redor. Essas substituições podem renovar a energia e as perspectivas dentro da empresa.

2. Menos custos com demissões

O custo de uma demissão varia de acordo com o salário, tempo de casa, termos contratuais, entre outros detalhes. Pagamentos de férias, indenizações e benefícios de seguro-desemprego se somam - e apenas uma parte desses custos precisa ser paga se um funcionário sair voluntariamente.

3. Visibilidade sobre as áreas problemáticas

Se os enfermeiros estão saindo pelos mesmos motivos ou fazendo uma mudança de carreira semelhante, os empregadores experientes aprenderão com isso. Os gerentes podem descobrir problemas em seus processos de integração, cultura da equipe ou na estrutura de pagamento. Investigar os dados por trás das altas taxas de rotatividade pode esclarecer as mudanças que uma organização precisa fazer em processos, ferramentas e políticas.

Cinco dicas para diminuir a rotatividade de enfermeiros

Reduzir a rotatividade de profissionais exige que as organizações de saúde trabalhem com uma variedade de fatores — sua cultura, processos, práticas e ferramentas — para ajudar seus trabalhadores a se sentirem valorizados e alcançarem um equilíbrio saudável entre vida pessoal e profissional . O primeiro passo é que os gerentes ouçam seus enfermeiros para entender o que precisa mudar.

1. Contratação pensada e planejada

Mesmo quando o pool de contratação é raso, os empregadores devem entrar no processo com uma noção clara das habilidades de que precisam e dos tipos de colaboradores que se encaixam bem em seu sistema e cultura - e, em última análise, terão maior probabilidade de permanecer para o longo prazo. Obtenha informações dos funcionários atuais e certifique-se de que suas ferramentas de recrutamento e integração facilitem o processo para todos os envolvidos. Por exemplo, os recursos de IA incorporados aos sistemas de gerenciamento de capital humano (HCM) baseados em nuvem permitem que os empregadores analisem os dados enviados pelos candidatos a uma vaga e examinem esses dados em relação aos requisitos da função e outros parâmetros.

2. Treinamento certo no momento mais oportuno

Os enfermeiros, especialmente aqueles que estão apenas começando em suas carreiras, muitas vezes se sentem como se tivessem sido jogados no fundo do poço. Independentemente do nível de experiência, os novos contratados precisam de treinamento específico para sua organização e exigido por regulamentações governamentais (como treinamento em controle de infecções e controle da dor). As organizações que elaboram planos abrangentes de integração com metas claras e dão aos novos contratados o tempo necessário para concluir o treinamento ajudarão a reduzir as taxas de atrito para funcionários em todos os níveis.

3. Mais flexibilidade para os enfermeiros criarem suas agendas

A American Nurses Association recomenda que os hospitais estabeleçam grupos flexíveis de enfermeiros em todas as unidades para criar uma bancada mais profunda para que os gerentes não escalem constantemente as mesmas pessoas. Também recomenda que os gestores trabalhem diretamente com os colaboradores individualmente para configurar seus horários para os pedidos de folga ou horas extras. Os sistemas de agendamento HCM mais recentes permitem que os funcionários filtrem os turnos disponíveis com base nas competências e na experiência de um profissional individual, permitindo que eles vejam quais turnos estão disponíveis. Os hospitais que aproveitarem ao máximo a equipe disponível poderão reduzir sua dependência da contratação de enfermeiros de custo alto.

4. Adoção de um modelo de escuta contínua

Novas aplicações para dispositivos móveis permitem que os gerentes se comuniquem instantaneamente e regularmente com enfermeiros, além de obterem feedback rápido por meio de pesquisas de pulso. Os gestores também podem usar a tecnologia para ativar planos de gerenciamento de desempenho que incluem check-ins agendados e lembretes automáticos para dar suporte ao coaching individual contínuo.

5. Adoção da tecnologia certa

Cada sistema que os enfermeiros usam impulsionam, ou simplesmente ignoram, a experiência do funcionário. Isso inclui as aplicações que oferecem suporte a recrutamento, integração, treinamento, benefícios e outros processos essenciais de RH, bem como o sistema EHR, o centro de atenção de todas as organizações de saúde. Quando essas interfaces e pontos de acesso não estão conectados, os profissionais precisam gastar mais tempo inserindo e tentando encontrar dados e menos tempo cuidando dos pacientes. Garantir que os colaboradores sejam apoiados pela tecnologia certa para que não fiquem desnecessariamente sobrecarregados com tarefas administrativas é a chave para a retenção. Afinal, a principal razão pela qual os enfermeiros escolhem a profissão é fazer a diferença na vida das pessoas.

Como usar a tecnologia para criar e reter as forças de trabalhos de enfermagem

Dar aos enfermeiros o controle e flexibilidade causa um impacto positivo na satisfação no trabalho e, em última análise, na sua vontade de permanecer na organização. Neste ponto, a tecnologia tem um papel crucial. Os profissionais precisam de sistemas HCM simples de usar e sempre disponíveis, com ferramentas que lhes permitam se candidatar aos turnos, ajustar seus horários, verificar seus benefícios, registrar e acompanhar seu treinamento, planejar e desenvolver suas carreiras, fornecer feedback sobre a organização , e se conectar com seus gerentes e colegas.

O Oracle Fusion Cloud HCM, que inclui a nova plataforma de experiência do funcionário Oracle ME, oferece aos enfermeiros e seus gerentes essas ferramentas, ajudando as organizações de saúde manterem seus funcionários engajados, recebendo apoio e ansiosos para permanecer na empresa.

À medida que o mundo começa a emergir da pandemia de COVID-19, os líderes de saúde estão se concentrando em diferentes prioridades, de acordo com a pesquisa Philips Future Health Index. Entre eles, destacam-se retenção e satisfação da equipe, redução de custos e melhoria no atendimento ao paciente. Para reduzir a rotatividade entre enfermeiros e outros funcionários importantes, as organizações de saúde podem usar salários mais altos como motivador.

Descubra como a plataforma Oracle ME pode ajudar sua organização a melhorar a experiência do funcionário.

Perguntas Frequentes sobre custo de rotatividade de enfermeiros

Qual foi a taxa média de rotatividade de funcionários em 2022?
O Gartner prevê uma taxa anual de rotatividade de funcionários de 20% em todos os setores para o futuro previsível. A taxa média de rotatividade nos hospitais fica em torno de 26%.

Qual é o custo da taxa de rotatividade de funcionários na área da saúde?
A escassez de médicos nos EUA aumentou em 8%, ou US$24 bilhões, os custos trabalhistas hospitalares em 2021, segundo dados divulgados pela consultoria de saúde Kaufman Hall.

Será que a demanda por enfermeiros aumentará de 2023 em diante?
A enfermagem está a caminho de ser a sexta profissão com crescimento vertiginoso nos EUA na próxima década, de acordo com o Bureau of Labor Statistics (BLS), como resultado de uma população envelhecida que precisa de mais cuidados médicos, a necessidade de substituir enfermeiros que se aproximam da idade de aposentadoria e um aumento de condições crônicas, como obesidade e demência. O BLS estima que haverá cerca de 203.000 novos cargos de enfermagem abertos a cada ano entre 2023 e 2031.

Captura de tela Solicite uma demonstração do HCM

Descubra como o Oracle Cloud HCM oferece a solução HCM na nuvem mais completa e unificada