A importância da área de recursos humanos em saúde

Margaret Lindquist | Estrategista de Conteúdo em Saúde | 23 de março de 2023

A base de qualquer sistema de saúde é a sua equipe, os cuidadores e o suporte que são diretamente responsáveis pelos resultados e a satisfação dos pacientes As equipes de recursos humanos de assistência médica são responsáveis pela contratação e integração dessas pessoas, promovendo uma cultura de trabalho positiva e compassiva, ajudando os funcionários a avançar em suas carreiras e garantindo que suas organizações e seus funcionários cumpram uma série de políticas e regulamentos de segurança, privacidade, treinamento e outros. Para enfrentar esses difíceis desafios em meio a severas carências de pessoal, à proliferação do burnout de funcionários e ao aumento dos custos de mão de obra, as equipes de RH de assistência médica precisam desenvolver programas e políticas inovadores e pensativos.

Qual o papel do RH no setor da saúde?

Os grupos de RH das organizações de saúde são responsáveis por funções típicas de RH, como recrutamento, contratação e orientação do gerenciamento sênior nos pacotes de pagamento e benefícios necessários para atrair e reter os melhores talentos. As equipes de RH de saúde também enfrentam desafios tortuosos da indústria. Eles são responsáveis por comunicar e rastrear inúmeros regulamentos federais e estaduais que abrangem certificações, segurança, privacidade e outras áreas. Eles estão contratando em um setor em que a concorrência por talentos é particularmente feroz e os candidatos têm muitas outras opções. Eles supervisionam uma força de trabalho que enfrenta situações estressantes diariamente e requer salvaguardas físicas e suporte à saúde mental. Eles colaboram com a TI para proteger a privacidade dos registros de pacientes e funcionários. Eles trabalham com os gerentes para ajustar os processos de agendamento da equipe para reduzir o burnout e desenvolvem programas que melhoram a satisfação do paciente e fornecem resultados positivos ao paciente - por exemplo, projetando sistemas de remuneração e bônus que alinham o pagamento com melhorias de desempenho e resultados do paciente.

Principais conclusões

  • As equipes de RH do setor precisam desenvolver, rastrear e aplicar programas de treinamento e desenvolvimento de funcionários, não apenas para cumprir os requisitos legais, mas também para criar uma força de trabalho vibrante em meio a uma grave escassez de enfermeiros, médicos e outros profissionais de saúde, agravada pela pandemia de COVID-19.
  • Construir e sustentar uma cultura de trabalho positiva é fundamental para atrair novos talentos, envolver os funcionários atuais e promover a inovação. Também pode melhorar os resultados do paciente e os níveis de satisfação - os funcionários que estão satisfeitos com a cultura da força de trabalho e se sentem valorizados têm maior probabilidade de priorizar o atendimento ao paciente.
  • O RH tem a tarefa de criar programas de treinamento e reforçar a participação como parte de um processo completo de integração e desenvolvimento de funcionários. A diferença entre um funcionário mal treinado e bem treinado pode ser uma questão de vida ou morte para os pacientes.

Recursos humanos em saúde sem segredos

Os gerentes de RH de assistência médica têm todas as responsabilidades de seus colegas em outros setores, além de muitos específicos para assistência médica. Isso inclui gerenciar altas taxas de rotatividade de funcionários, fornecer suporte à saúde física e mental dos funcionários, monitorar a conformidade da certificação e avaliar o sucesso com base nos resultados dos pacientes e nos níveis de satisfação (em oposição ao desempenho financeiro da organização).

As equipes de RH de assistência médica desenvolvem práticas de contratação que garantem que sua organização atraia os candidatos mais qualificados e trabalham com o gerenciamento sênior para criar pacotes de remuneração e incentivo atraentes em um mercado de trabalho altamente competitivo. Elas garantem que os funcionários estejam atualizados com certificações legalmente determinadas. Eles se familiarizam com as tendências de tecnologia para garantir que os funcionários tenham as ferramentas e sistemas de RH de que precisam. Talvez mais importante, eles são responsáveis por promover uma cultura de trabalho positiva, uma em que os funcionários colaboram uns com os outros, se sintam confortáveis em compartilhar suas preocupações com a gestão e se sentem apreciados por seu importante trabalho, um ambiente ideal para reduzir a rotatividade de funcionários e cuidar melhor dos pacientes.

Importância do RH em saúde

Em um setor em que contratar, reter e desenvolver funcionários pode ser extremamente desafiador, a importância da função de RH não pode ser superestimada. As equipes de RH de saúde lidam com regulamentos complexos do governo e contratos sindicais, bem como custos de mão de obra cada vez maiores. Eles também enfrentam desafios únicos relacionados à segurança, nível de estresse e falta de profissionais no quadro. É fundamental que essas equipes ajudem suas organizações a enfrentar esses desafios, com foco nesses quatro principais desafios.

Tornando-se um Defensor de Funcionário

Dada a grande quantidade de feedback dos funcionários que as equipes de RH coletam de pesquisas, grupos de foco, programas de treinamento e outros meios, elas estão em uma posição única para servir como defensores dos funcionários em tudo, desde remuneração até programação e bem-estar. Como tal, eles não apenas comunicam os desejos e as necessidades dos funcionários para o C-suite, mas também garantem que os líderes seniores não sejam perspicazes por ações da força de trabalho, incluindo atividades de rotatividade e sindicatos mais altas que o normal.

Redução na rotatividade

Não há uma melhor maneira de as organizações de saúde reduzirem a rotatividade de funcionários, mas há um primeiro passo que todas elas devem dar: olhe para as pessoas que saíram da organização, especialmente os de alto desempenho, e determine o que poderia ter sido feito para retê-las. É recomendável comparar essas ações com uma lista de boas práticas, incluindo escalas de trabalho flexíveis, amplo treinamento e oportunidades de promoção, tecnologia para automatizar as tarefas repetitivas e rotineiras das equipes, além de melhorar o salário-base. Além de analisar os dados de saída das entrevistas, você pode entrevistar os funcionários atuais para descobrir o que pensam da empresa, oportunidades de melhoria, para que você consiga ajudar os funcionários a manterem um equilíbrio saudável entre vida pessoal e trabalho, além de se sentirem acolhidos pelo trabalho sério, relevante e rigoroso que desempenham. De acordo com uma pesquisa conduzida pelo US National Center for Biotechnology Information, uma cultura de trabalho positiva aumenta o engajamento do funcionário, reduz as faltas, além de impactar positivamente a relação entre médico-paciente.

Manutenção do compliance

As equipes de RH de saúde precisam garantir que a empresa esteja cumprindo com diversas leis em vigor na indústria. Nos Estados Unidos da América essas leis incluem a Health Insurance Portability and Accountability Act (HIPAA, proteção dos dados dos pacientes), a Emergency Medical Treatment and Labor Act (EMTALA, exige que os hospitais tratem os pacientes em estado de emergência mesmo que estes não tenham condições de arcar com os custos do procedimento), a Patient Safety and Quality Improvement Act (PSQIA, protege os trabalhadores em saúde que relatam condições insalubres de trabalho) e a Health Information Technology for Economic and Clinical Health Act (HITECH, promove o uso de tecnologia para melhorar a qualidade, segurança e eficiência dos serviços em saúde). Além de uma infinidade de regulamentos que se aplicam às especialidades médicas. Por exemplo, no estado do Massachusetts, os fisioterapeutas respiratórios precisam completar um treinamento continuado de 15 horas a cada 24 meses. O RH também é responsável em garantir que os regulamentos dos cargos sejam devidamente documentados e que os funcionários se mantenham atualizados. Também trabalha em conjunto com o departamento jurídico da empresa para desenvolver e implementar programas que treinem os funcionários sobre como cumprir as leis e minimizar os riscos de ações judiciais.

Conheça 10 boas práticas para recursos humanos em saúde

O RH de saúde envolve muito mais do que apenas contratar e demitir pessoas, gerenciar benefícios e a folha de pagamento. A indústria de saúde está passando por uma grande mudança, com maior regulamentação pelo governo, alta rotatividade de funcionários e novos métodos baseados em tecnologia para entregar cuidados paliativos. Em resposta, os gerentes de RH precisam desenvolver novas estratégias, programas e políticas. Conheça 10 boas práticas que separamos para você:

1. Ofereça oportunidades de treinamento e progressão

Na indústria de saúde é essencial que as empresas treinem novos funcionários e se certifiquem de que os antigos estão em dia com os programas de reciclagem. A diferença entre fazer ou não os programas de estudos, pode significar a vida ou a morte de um paciente. O RH é responsável no desenvolvimento de programas de treinamento, além de acompanhar a participação nos programas, como parte do processo de integração de funcionários e a trilha de desenvolvimento interno. Os benefícios variam desde a conformidade legal básica até taxas mais altas de retenção de funcionários e melhor atendimento ao paciente. É essencial usar um software que lembre os funcionários sobre os prazos de renovação de treinamento e acompanhe seu progresso.

2. Ofereça escalas de trabalho flexíveis

A reivindicação campeã feita pelos trabalhadores em saúde é maior flexibilidade para a força de trabalho, de acordo com o relatório “Future Health Index 2022”. As empresas podem fazer isso de diversas formas: possibilidade de trabalho remoto - quando o cargo permitir, deixar que os funcionários tenham controle sobre suas horas de trabalho, e usar software de agendamento para que os funcionários possam trocar de turno diretamente pelo aplicativo em seus dispositivos móveis. As aplicações de agendamento mais recentes em gestão de capital humano (HCM) também conseguem filtrar os turnos disponíveis com base nos certificados e experiência pessoal de cada funcionário.

3. Considere programas de benefícios

Em meio à escassez de mão de obra em todo o setor, dois terços dos hospitais estão usando bônus de assinatura para recrutar médicos talentosos, enfermeiros e outros profissionais, de acordo com uma pesquisa da agência de recrutamento Avant Healthcare Professionals. Foi um aumento considerável com relação à pandemia, sendo que menos de 40% relataram usar os programas de benefícios. Os bónus médios para enfermeiros são de cerca de US$ 15.000, com base na análise das classificadoras de vagas em enfermagem. Esses bônus funcionam melhor para proteger os candidatos que estão renunciando entre ofertas de dois empregadores de saúde diferentes. Em alguns casos, esse bônus tem um peso maior para algum candidato, por exemplo, quando ele precisa mudar de cidade para trabalhar, pois sem esse bônus seria difícil o candidato aceitar a vaga.

4. Crie pacotes de remuneração líderes no mercado

Os pacotes de remuneração líderes de mercado vão muito além do salário e dos bônus. Os funcionários querem benefícios compatíveis que englobem assistência médica e odontológica, férias remuneradas e previdência privada. No entanto, os benefícios podem englobar programas de academias, reembolsos por cursos, recursos de planejamento financeiro, auxílio creche e vale transporte. O primeiro passo para os líderes mais experientes de saúde é conversar com os funcionários para definir uma matriz de prioridades. As respostas em cada quadrante podem te surpreender.

5. Destaque a sua cultura

Criar e fortalecer uma cultura de trabalho positiva é a chave para atrair talentos, reter a força de trabalho existente e promover a inovação. Enquanto isso, os funcionários que estão satisfeitos com a cultura da força de trabalho e que se sentem valorizados têm maior probabilidade de priorizar o atendimento ao paciente. Uma pesquisa do National Health Service, nos Reino Unido, mostra que a cultura organizacional de saúde disfuncional resultou em maiores taxas de mortalidade dos pacientes. Além das etapas que as operadoras de saúde devem prestar para melhorar a cultura da força de trabalho, elas também precisam criar um processo de orientação abrangente e interativo para os funcionários, implementar programas de mentoria, reconhecer e recompensar as conquistas dos funcionários (sejam grandes conquistas ou progressos diários) e promover um ambiente de diálogo aberto com a gestão sênior por meio de pesquisas e reuniões de estratégia e desenvolvimento.

6. Seja um porta-voz da tecnologia e automação

Diversas tecnologias estão transformando a indústria de saúde, gerando potencial para reduzir custos e melhorar a satisfação dos médicos, a experiência do paciente e os resultados de saúde. Algumas dessas tecnologias, como a telemedicina, wearables e aplicativos de saúde para dispositivos móveis conectam pacientes e médicos diretamente, ao passo que as aplicações de agendamento e gestão de talentos para aplicações móveis automatizam as tarefas administrativas e permitem que as equipes criem caminhos de carreira personalizados. É uma função do RH trabalhar em estreita colaboração com a TI para garantir que os funcionários obtenham o treinamento de que precisam para usar essas novas ferramentas.

7. Concentre-se na prevenção do burnout

O burnout entre os profissionais de saúde é sempre elevado, de acordo com uma recente pesquisa da Fundação Família Washington Post/Kaiser. 55% dos profissionais de saúde referiram sintomas de burnout (definidos como exaustão mental e física por estresse crônico no local de trabalho), com a maior taxa, 69%, entre os trabalhadores de 18 a 29 anos. Para aliviar o estresse, as empresas de permitem que seus funcionários acessem suas escalas sob demanda, para que eles possam administrar sua agenda pessoal e profissional. Essas empresas desenvolvem estratégias e mecanismos de suporte para lidar com a estafa de seus funcionários, por exemplo, limitando a extensão de seus turnos acima de 12 horas, oferecendo uma pausa a cada 2-4 hora e dormitórios. Alguns hospitais até instituíram alguns "guardiões da soneca" responsável por monitorar qualquer sinal de exaustão nos membros da equipe. As empresas de saúde também estão facilitando a divisão de turnos por funcionários ou a mudança dinâmica de turnos. Algumas até disponibilizam recursos de saúde mental de forma privada. Outras oferecem treinamentos sobre "liderança empática" para os gerentes, incentivando-os a interagirem constantemente com sua equipe, em vez de apenas colher feedbacks para preencher relatórios.

8. Ofereça um trabalho com estabilidade

De acordo com a lista mais recente do U.S. News & World Report Best Jobs, onze dos 20 trabalhos mais seguros estão na área da saúde, sendo que os fisioterapeutas respiratórios, técnico cardiovascular e epidemiologistas ocupam as primeiras posições. Portanto, manter um emprego não é uma grande preocupação para aqueles nos mais altos níveis da profissão. No entanto, trabalhadores em funções não clínicas de saúde têm menos segurança no trabalho, criando uma oportunidade para que o RH ofereça programas de aprendizado e desenvolvimento e facilite a mobilidade profissional dentro da organização à medida que as necessidades de diferentes departamentos mudam.

9. Crie equipes autogerenciáveis

Equipes autogerenciáveis compartilham responsabilidades no planejamento e execução das tarefas para cumprirem objetivos específicos com pouca, ou até nenhuma supervisão. Sob este modelo, os membros assumem as responsabilidades entre si, além daquelas relacionadas às suas tarefas diárias. Embora esse tipo de equipe não tenha um chefe, a hierarquia e responsabilidades ainda existem. Trabalhadores com habilidades específicas assumem funções de liderança para tarefas relevantes. Os benefícios de uma equipe autogerenciada incluem maior engajamento dos funcionários e menos custos. Ainda de acordo com o Journal of Health Organization and Management, essas equipes alocam recursos com muito mais eficiência e se ganham flexibilidade na realização de tarefas e conciliação de cenários e situações.

10. Mantenha-se sempre atualizado com leis e compliance

As equipes de RH de saúde precisam trabalhar em conjunto com o departamento jurídico da empresa para ficar por dentro e garantir o cumprimento com diversas leis e regulamentos específicos da indústria, incluindo o HIPAA, que protege a privacidade dos dados dos pacientes, a EMTALA, exige que os hospitais tratem pacientes em estado de emergência mesmo que estes não tenham condições de arcar com os custos do procedimento, e a PSQIA, que protege os trabalhadores em saúde que relatam condições insalubres de trabalho. Além das leis federais, existe uma série de leis e licenciamentos de diversos cargos, que ainda podem variar de estado para estado. As sanções pelo não cumprimento vão desde processos judiciais até multas onerosas.

Mantenha as equipes de saúde engajadas e reduza a rotatividade com a ajuda do Oracle Cloud HCM

Concorrência intensa para trabalhadores talentosos, aumento dos salários e aumento das demandas dos funcionários pelo equilíbrio entre vida profissional e pessoal - estes são apenas alguns dos desafios que as equipes de RH enfrentam todos os dias. As empresas de saúde estão usando recursos especializados do setor incorporados ao Oracle Fusion Cloud Human Capital Management para automatizar e melhorar a contratação, simplificar a programação da equipe, conectar a equipe com o treinamento necessário e ajudar os trabalhadores a se envolverem uns com os outros e com o gerenciamento - todos eles contribuem para o objetivo final de oferecer um melhor atendimento ao paciente. Como esses serviços do HCM são entregues na nuvem, a equipe consegue acessá-los de qualquer lugar, ou seja, em sua estação de trabalho, nas salas de cirurgia, em casa, em qualquer outro lugar.

Descubra como você pode usar a plataforma de nuvem Oracle ME para criar uma cultura no local de trabalho que atraia, desenvolva e engaje as pessoas.

Seção de Perguntas Frequentes sobre a importância do RH em saúde

Quais são os exemplos de recursos humanos de saúde?
Muito além da contratação, gestão de benefícios e desligamentos que são praxe da área de RH, as equipes de RH de saúde também precisam lidar com diversas regulamentações impostas pelos governos, exigências de certificações, preocupações com a segurança da força de trabalho, além da preocupação crescente com o burnout dos funcionários, independentemente do nível ou cargo.

Qual a função do RH em um hospital?
As equipes de RH do hospital executam funções típicas de RH, como recrutamento e contratação e assessoria ao gerenciamento sênior em pacotes de pagamento e benefícios. As responsabilidades do RH de hospital também incluem rastrear e aplicar treinamento do governo, segurança, privacidade e outros regulamentos, trabalhar com TI para proteger registros de saúde do paciente e desenvolver processos disciplinares para garantir que os funcionários sejam responsabilizados por maus comportamentos e disputas sejam resolvidas de forma justa.

Quais problemas o setor de recursos humanos de um hospital precisa enfrentar?
O maior desafio de RH na área da saúde é recrutar e reter pessoas talentosas - em particular, médicos especialistas e enfermeiros - além da escassez de mão de obra em todo o setor. Outros problemas incluem administrar pedidos frequentes de aumento de salário e amenizar a questão do burnout.

Captura de tela Solicite uma demonstração do HCM

Descubra como o Oracle Cloud HCM oferece a solução HCM na nuvem mais completa e unificada